OFICINAS

O Ator no Cinema

com Luciano Torres

gallery/foto_luciano

Apresentação

Nesta oficina de atuação serão ministradas técnicas de construção de personagens e interpretação para a câmera, trabalhando corpo, voz, emoções e imaginação.  Além disso, será filmado um curta-metragem durante as aulas, que será exibido no último dia do Festival.

Conteúdos

Exercícios de alongamento;  aquecimento e consciência corporal;  respiração; ressonância;  articulação;  orofaciais;  vocais;  leitura e texto falado;  desaquecimento;  técnicas do Método Fátima Toledo; método Christian Duurvoort;  processo Sergio Penna;  técnicas de Interpretação para Câmera:  posicionamento;  planos;  marcações;  improvisos;  imaginação;  subtexto;  emoções etc. 

Prática de consolidação:  Filmagem de um curta-metragem durante o processo.  Avaliação da experiência de filmagem durante a oficina.

Público-Alvo

A oficina é voltada para estudantes, atores e qualquer pessoa que tenha intenção de aprender e vivenciar técnicas de preparação de elenco e de atuação, de qualquer nível de escolaridade, localidade ou classe social com idade mínima de 14 anos

Local , data e horário

SINDECC

De 6 a 9 de novembro de 2017

Das 8 as 11 horas

.

O ator Luciano Torres cursou a Escola de Atores Wolf Maia e diversas oficinas de interpretação com renomados preparadores de elenco nacionais (Fátima Toledo; Sergio Pena;  Christian Duurvoort...) e internacionais (Margie Harber; Jandir Strada...).   Atuou em comerciais;  Esteve em temporadas com espetáculos no Rio de Janeiro, onde foi premiado como melhor ator em um festival, em 2011;  Fez participações em novelas da Rede Globo;  No cinema, está no elenco do filme "Mulheres no Poder", de Gustavo Acioli, protagonizado pela atriz Dira Paes;  além de outras produções.  Formado em Publicidade (UFPE) e com pós-graduação em Criação Publicitária, roteirizou, produziu e dirigiu alguns curtas-metragens e comerciais.  Também é graduado em Educação Física (ASCES) e trabalhou em projetos de artes, recreação, lazer e esportes.  Recentemente, ministrou a oficina "O Ator Em Processo", na UNICAP, em Recife-PE; no II Cine Jardim, em Belo Jardim-PE e em Caruaru-PE.  Também atua como produtor e sócio da produtora audiovisual Grafite 07. 

Ementa

A oficina objetiva aproximar a experiência de cinéfilos e estudantes com um embasamento teórico acerca do cinema como prática social e como arte contemporânea. Durante o processo serão identificados os pressupostos e caminhos na construção de uma análise fílmica para a construção textual em diversos estilos e formatos. Serão expostos os aspectos sociológicos, políticos e filosóficos que influenciam a construção dos textos. Ao final da oficina será organizado o júri popular para o Festival de Cinema de Caruaru - quarta edição.

 

Metodologia

Serão desenvolvidas atividades simplificadas de forma prática e expositiva como leituras de pequenos fragmentos de textos, exibição de filmes, escrita de textos curtos e debates que favoreçam a construção de caminhos para a iniciação à prática de análise fílmica.

 

Avaliação

Os participantes serão avaliados ao longo do processo da aprendizagem através da construção textual e participação nos debates. Da mesma forma que será avaliado o processo de ensino por todos os participantes.

 

Público-alvo

Estudantes e cinéfilos com idade entre 18 e 26 anos.

 

Local , data e horário

Biblioteca do SINDECC

De 6 a 9 de novembro de 2017

Das 14 as 17 horas

Oficina Introdução à Crítica Cinematográfica

com Edvaldo Santos

gallery/foto_edvaldo3
É graduado em Ciências Sociais, Psicopedagogo, especialista em Sociologia e em Tecnologias na Educação. Atualmente pós graduando em Cinema e Linguagem Audiovisual. Dirigiu e roteirizou seis curta metragens. É curador e diretor do Festival de Cinema de Caruaru. Tem mais de vinte anos de experiência em cinema na educação. É sócio-fundador da Ficção Filmes.

O SERTÃO NO CINEMA: ESTÉTICA E REPRESENTAÇÃO

com Ana Monique Moura

Ementa:
Apresentação e explicação das diversas abordagens cinematográficas do Sertão brasileiro. Os participantes serão introduzidos na história destas abordagens para que possam estar preparados à compreensão das diferentes linguagens que o cinema se utilizou para representar esteticamente o Sertão. A partir da exposição destes conteúdos, os participantes também estarão aptos ao conhecimento das teorias e processos possíveis para o cinema no quesito da inovação da cultura do sertão (símbolos, imagens, mitos), assim como da realidade social (seca e geopolítica). Com este pano de fundo, a oficina garantirá o espaço para reflexões e discussões acerca das possibilidades de uma estética e de uma representação do sertão no cinema, no que tange às suas implicações teóricas e práticas.
 
Conteúdos:
Introdução à história do recurso ao Sertão no Cinema;
A estética do Cinema Novo na abordagem do Sertão;
Abordagens do sertão no Cinema contemporâneo;
Símbolos, discursos, realidades sociais e mitologias do Sertão à caminho da representação cinematográfica;
Elementos do Sertão no Cinema: entre o fictício, o imaginário, o real e o possível;
Teorizações sociológicas sobre a abordagem cinematográfica do Sertão;
O dilema do Sertão entre estética e política cinematográficas;
O sentidos para a estética do Sertão no Cinema;
O sentidos para a representação do Sertão no Cinema.

 

Público alvo:
Estudantes, pesquisadores, profissionais e interessados no cinema ou áreas afins.

Local, data e horário:
Sede do SINDECC. De 21 A 23 de novembro das 8 as 11 horas .
gallery/ana monique moura (1)
Doutora em Filosofia pelo Programa Integrado de Doutorado em Estética e Filosofia da arte (UFPE-UFPB-UFRN) e HGB-AFA (Leipzig, Alemanha). Graduada e mestre em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Escreve como colunista sobre cinema, música e outros assuntos na Revista Philipeia (Paraíba) e no Jornal de Cultura O Palácio (Alagoas). Professora (IFAL) e crítica cultural. Autora dos livros Entre Kant, filosofias e arte (2012) e O olho e o pensamento: contribuições de óticas da filosofia para filmes (2013).